quarta-feira, 7 de junho de 2017

Reparador Chevrolet

Prezados,

Logo que comprei a Zero-Dois, comecei a pesquisar a literatura técnica e ficando sabendo da existência do site Reparador Chevrolet.

O Reparador Chevrolet não é único, pois sei do Reparador Motorcraft, voltado para os veículos Ford e o Reparador Fiat. Devem haver outros, cada um com maior ou menor acesso a literatura técnica e outras questões.

O Reparador Chevrolet é um site interessante apresentando a documentação técnica dos seguintes veículos:

  • Astra
  • Blazer
  • Celta
  • Classic
  • Cobalt
  • Corsa
  • Cruze
  • Meriva
  • Montana
  • Omega
  • Onix
  • Prisma
  • S10
  • Spin
  • Tracker
  • Vectra
  • Zafira
O Reparador Chevrolet é, de certa forma, uma quebra de paradigma pois os fabricantes aqui estabelecidos pareciam ter ojeriza a disponibilização de informações técnicas dos seus produtos.

Durante anos, os fabricantes se recusavam a divulgar as informações técnicas de forma a proteger de uma possível concorrência desleal com seus Concessionários por parte dos reparadores independentes, criando assim, uma reserva de mercado.

Nota-se que o está havendo uma mudança deste cenário, pois muitas pessoas não estão dispostas ou não tem como fazer o serviço por elas mesmas, o popular DIY americano, ou por que os veículos são tão sofisticados que sem um computador e as ferramentas específicas não se faz absolutamente nada.

Notaram uma coisa na lista acima? Cadê Opala? Cadê Chevette? Cadê Monza? Cadê a linha 10? Cadê a linha 20? Cadê a Silverado?

Pois é, os clássicos da General Motors do Brasil não mereceram ter suas informações técnicas divulgadas então continuamos reféns das parcas informações disponíveis na internet, muitas vezes equivocadas, ou dos manuais que de alguma forma foram copiados da literatura técnica oficial, em geral vendidas a peso de ouro.


sexta-feira, 17 de fevereiro de 2017

Nota de Falecimento

Prezados,

Em 11 de novembro de 2016 foi decretado o falecimento do GM 4,1l da Veraneio. Quase no dia do aniversário de chegada dela aqui em Brasília. A princípio o diagnóstico era "Batida de biela", ou seja, ia precisar retificar o motor. Daí eu tinha três caminhos a seguir:

1 - Mandar retificar - O mais simples e rápido;

2 - Comprar um 4,1l injetado e colocar correndo o risco de mais à frente ter que retificar 
também;

3 - Antecipar a fase II do projeto, partir logo para o 350V8.

Parei tudo, até aquele momento estava tocando o projeto sozinho com o meu filho, agora vou precisar de ajuda de profissionais, até daria para tocar sozinho, mas ia demandar muito tempo para refazer tudo sozinho, ia depender de um monte de favores ou comprar as ferramentas adequadas para o procedimento.

Conhecimento e experiência eu já tinha mas estou meio enferrujado, pois fizemos o motor da Japiraca (F100 como motor 302V8) e demos um tapa no motor da Zero-Um, ou seja, desmontar, limpar tudo, trocar os anéis, juntas, bomba de óleo e parafusos fadigados, remontar e botar para rodar de novo. E isto foi feito em ritmo de Fórmula 1, pois a Zero-Um tinha que voltar a rodar na segunda-feira.

Primeiro, localizar um mecânico que encarasse o projeto. Hoje em dia está cada vez mais difícil encontrar alguém que entenda destes motores sem injeção, antigos e pesados. Tive que ir atrás de um mecânico das antigas, ou seja, da Japiraca.

Aproveitando a parada, botei a baixo a minha oficina, tirei tudo para reorganizar, juntar, descartar, reciclar, desapegar e aproveitar para refazer as prateleiras onde ficam as latas com parafusos, pregos e etc. pois os suportes metálicos não estão mais suportando o peso.

Longa pausa.

Localizei o mecânico, o mesmo caos de 20 anos atrás, os diversos projetos parados no meio do caminho, vamos lá, chama o guincho e manda levar.

Após alguns dias, o diagnóstico:
1 - Parte de baixo boa, motor todo Standart, bomba de óleo boa, não original mas funcional;
2 - Dois pistões afetados por uma quebra do reforço da guia da válvula dentro cabeçote, que não afetou, miraculosamente, as paredes dos cilindros nem bielas;
3 - Comando de válvulas erodido; e
4 - Bomba d'água com início de vazamento.

Tratamento:
1 - Retifica do virabrequim, passando para 0.10 (Bronzinas de biela KS, de mancal Metal Leve, Anéis Metal Leve);
2 - Retífica do cabeçote, com banho químico, teste de estanqueidade, reassentamento das válvulas e plainar o dito cujo;
3 - Troca do comando de válvulas e tuchos. Cogitei usar o conjunto de comando com tuchos mecânicos da Kuir, mas acabai fechando num comando da Perfect Circle com tuchos hidráulicos Sealed Power;
4 - Troca da bomba d'água (Saiu a Indisa, entrou uma Nakata)
5 - Conversão para rodar com gasolina, ligeiro rebaixamento da cabeça dos pistões (Deve baixar de 10,5 para 10), ajuste na curva do distribuidor, troca dos venturis e giclagem do carburador, troca da termostática (de 85ºC para 75ºC - TEM Thompson).
6 - Óleo semi-sintético Valvoline 10W30 + Molykote e aditivo de radiador Delphi, radiador preparado para receber posteriormente um ventilador elétrico (previsão para cebolão);
7 - Jogo de instrumentos da Cronomac - Tacômetro, Manômetro de óleo e Vacuômetro; e
8 - Por fim, geral nos freios com a troca dos flexíveis que estão rachados.

Espero que volte a rodar antes do Carnaval.

Dúvida: Omegar e turbinar ou turbinar e omegar ou turbinar e injetar ou injetar e turbinar ou v8itar eis a questão... O escalonamento do projeto tem que ser muito bem pensado para jogar o mínimo de dinheiro fora.

quinta-feira, 2 de fevereiro de 2017

Literatura básica

(Atualizado em 07/02/2017)
(Corrigido erro no link do esquema elétrico em 31/07/2017)

Prezados,

Abaixo seguem alguns links com a literatura básica referente as picapes GM.

1 - Manual de reparação da Linha 10: O manual disponibilizado não tem data mas acredito ser até 1978 pois:

a) O painel retratado é o antigo, todo em aço; e

b) Na seção de freios, os procedimentos de reparo dianteiro são para freios a tambor. 

Como a Zero-Um tinha painel mais moderno, plástico e freios a disco na dianteira e ela era 1979, por isto acredito que o limite seja este.

Link: Manual de serviço Utilitários Chevrolet - Linha 10 
(Link para o Manual do Meu Carro)

2 - Esquema elétrico das picapes GM

O esquema apresentado foi copiado da seção 12, Grupo Y do manual acima, portanto segue as mesmas considerações do item acima.

Link: Esquema elétrico - Utilitários Série 10 - Até 1977
(Link para o PicapesGM)

3 - Manual de reparação da Linha 20: O manual disponibilizado é o de março de 1991.

Link: Manual de serviço Utilitários Chevrolet - Linha 20
(Link para o PicapesGM)

4 - Manual do proprietário da Linha 10: O manual disponibilizado é o de Maio de 1982.

Link: Manual do proprietário da Linha 10
(Link para o Manual do Meu Carro)

Se conseguir o manual de reparação da linha 10 para o período 1979 a 1986-89 e conseguir disponibilizar eu e toda a comunidade da Veraneio vamos agradecer demais.

Lembrando que o que chamo de linha 10 é a carroceria utilizada até 1986, no caso da Veraneio até 1989 e a linha 20 é a utilizada até 1998 quando do surgimento da Silverado, não importando a motorização ou capacidade de carga.

quarta-feira, 1 de fevereiro de 2017

Parece piada mas é verdade

O telefone toca, é o pessoal da garagem pedindo para eu descer lá.

Gelei na hora: "Deu caca, alguém bateu no meu carro".

O rapaz fala: "Descobrimos um gato no motor do seu carro"

Como assim, penso, estes (---) mexeram no meu carro.

Chegando perto escuto o carro literalmente miar.

Quando olho pela grade vejo o bichano entre a mesma e o radiador.


Este deu sorte de não ter sido triturado pela hélice nem cozido pelo radiador.

Foi salvo, examinado pelo veterinário e adotado pela turma do meu serviço.

Decodificando o número do chassis - Parte 2 - A partir de 1984

Prezados,



Localização do número do chassis: Sempre na longarina direita, face superior, próximo ao motor de partida.

Para veículos fabricados entre 1984 e 1986 o número é composto por 17 caracteres:

1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
9
B
G
5
1
4
6
N
H
E
C
0
0
0
0
0
1

Posição 1 - Identifica a região geográfica de origem: 9 - América do Sul

Posição 2 - Identifica a produção no Brasil: B - Brasil

Posição 3 - Identifica o fabricante: G - General Motors do Brasil

Posição 4 - Identifica a divisão do fabricante: 5 - Automotiva

Posições 5 e 6 - Identifica entre eixos do chassis e peso bruto total:

14
Entre eixos de 2920 mm
Até 3.000 kg
24
Entre eixos de 2920 mm
Entre 3.001 e 4.000 kg
25
Entre eixos de 3230 mm
Entre 3.001 e 4.000 kg

Posição 7 - Identifica a combinação chassis - carroceria:

1
Só chassis ou sem cabine
2
Cofre do motor e parabrisa ou meia cabine
3
Cabine
4
Cabine e caçamba
5
Carroceria furgão
6
Utilitário ou perua ou camioneta de uso misto (Veraneio)
7
Ambulância ou carroceria especial
8
Cabine dupla e caçamba
9
Cabine estendida

Posição 8 - Identifica o nível de acabamento:

Para o ano de fabricação 1984:
N
Standart
P
Luxo
Q
Super luxo
S
Especial, acabado fora da fábrica
Z
Especial, acabo dentro da fábrica

Para os anos de fabricação 1985 e 1986:
N
Standart
P
Luxo
Q
Super luxo

Posição 9 - Identifica o tipo de motor:

Código
Combustível
Capacidade (em pol³)
Capacidade (em cm³)
Potência Bruta (em CV)
Potência Líquida
(em CV)
Carburação*
D
Álcool
151
2.474
88
65
2V
E
Gasolina
151
2.474
82
60
1V
F
Álcool
250
4.093
115
99
2V
H
Gasolina
250
4.093
118
87
2V
L
Gasolina
292
4.784
110
96
1V
M
Álcool
292
4.784
148
109
2V
N
Perkins Diesel
236
3.868
90
66
-
X
Perkins Diesel
357
5.843
135
99
-
* Acredito que este código tenha a ver com a quantidade de corpos do carburador - 1V = um venturi (Corpo simples) ou de dois venturis (corpo duplo)

Posição 10 - Identifica o ano de fabricação:

E = 1984
F = 1985
G = 1986

Posições 11 a 13 - Identifica o sequencial de produção, iniciando em 00001

Para veículos fabricados a partir de 1987 o número é composto por 17 caracteres:

1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
9
B
G
1
4
6
N
F
H
H
C
0
0
0
0
0
1

Posição 1 - Identifica a região geográfica de origem:

8
América do Sul
9
América do Sul

Posição 2 - Identifica o país de produção:

A
Argentina
B
Brasil

Posição 3 - Identifica o fabricante: G - General Motors do Brasil

Posições 4 e 5 - Identifica entre eixos do chassis e peso bruto total:

11
Entre eixos de 2720 mm
Até 3.000 kg
12
Entre eixos de 2750 mm
Até 3.000 kg
13
Entre eixos de 2590 mm ou 3120 mm*
Até 3.000 kg
14
Entre eixos de 2920*¹ mm
Até 3.000 kg
24
Entre eixos de 2920 mm
Entre 3.001 e 4.000 kg
25
Entre eixos de 3230*² mm
Entre 3.001 e 4.000 kg
11
Entre eixos de 2720 mm
Até 3.000 kg
12
Entre eixos de 2750 mm
Até 3.000 kg
*¹ Consta também como 2.921 mm. *² Consta também como 3.226 mm.

Posição 6 - Identifica a combinação chassis - carroceria:

1
Só chassis ou sem cabine
2
Cofre do motor e parabrisa ou meia cabine
3
Cabine
4
Cabine e caçamba
5
Até 1989 - Carroceria furgão
A partir de 1990 - Bonanza
6
Utilitário ou perua ou camioneta de uso misto
(Veraneio ou Gran Blazer)
7
Ambulância ou carroceria especial
8
Cabine dupla e caçamba
9
Cabine estendida

Posição 7 - Identifica o nível de acabamento: Os níveis de acabamento variam ano a ano, além, das versões especiais:

Para os anos de fabricação 1987 a 1988:
N
Standart
Q
Super luxo
X
Standart, dotado de tração 4x4
Z
Super luxo, dotado de tração 4x4

Para os anos de fabricação 1989 e 1990:
N
Standart ou Custom "S"
P
El Camino*
R
Super luxo
X
Standart ou Custom "S", dotado de tração 4x4
Z
Super luxo, dotado de tração 4x4
* Não me recordo deste nível de acabamento neste ano.

A partir do ano de fabricação 1991:
N
Standart ou Custom "S"
P
El Camino*
R*
Custom Deluxe
DLX
X*
Standart ou Custom "S", dotado de tração 4x4
Champ (>1994)
Z*
Custom "Deluxe", dotado de tração 4x4
Conquest (>1992)
* Depende da fonte.

Posição 8 - Identifica o tipo de motor:

Para o ano de fabricação até 1990:
Código
Combustível
Capacidade (em pol³)
Capacidade (em cm³)
Potência Bruta (em CV)
Potência Líquida
(em CV)
Carburação*
A
Diesel
-
4.000
92
60
-
B
Diesel Turbo
-
4.000
120
88
-
D
Álcool
151
2.474
88
65
2V
E
Gasolina
151
2.474
82
60
1V
F
Álcool
250
4.093
115
99
2V
H
Gasolina
250
4.093
118
87
2V
L
Gasolina
292
4.784
110
96
1V
M
Álcool
292
4.784
148
109
2V
N
Perkins Diesel
236
3.868
90
66
-
X
Perkins Diesel
357
5.843
135
99
-
* Tipo de carburador - 1V = um venturi (Corpo simples) ou de dois venturis (corpo duplo)

Para o ano de fabricação a partir de 1991:
Código
Combustível
Capacidade (em pol³)
Capacidade (em cm³)
Potência Bruta (em CV)
Potência Líquida
(em CV)*¹
Motor
/
Carburação*²
A
Diesel
-
4.000
92
60
Maxion S4
B
Diesel Turbo
-
4.000
120
88
Maxion S4T
D
Diesel Turbo Plus
-
4.000
150
-
Maxion S4T Plus
E
Gasolina
250
4.093
148
109
MPFI
Z
Diesel Turbo
-
4.200
141
-
MWM Sprint 6.07T
*¹ - Na fonte há dois valores declarados como Potência Líquida, optei em manter o valor maior como potência bruta e o menor com potência líquida de forma a ficar coerente com os valores da tabela anterior, válida para até 1990.
*² - Tipo de carburador - 1V = um venturi (Corpo simples) ou de dois venturis (corpo duplo)

Posições 9 e 10 - Identifica o ano de modelo e fabricação:

H = 1987
J = 1988
K = 1989
L = 1990
M = 1991
N = 1992
P = 1993
R = 1994
S = 1995
T = 1996
V = 1997
W = 1998
X = 1999




Posição 11 - Identifica a fábrica onde o veículo foi produzido:

A = Córdoba (Argentina)
B = São Caetano do Sul
C = São José dos Campos

Posições 12 a 17 - Identifica o sequencial de produção, iniciando em 100001


Fonte: Manual de Técnicas de Identificação Veicular e Documental, de Arnaldo Nadim Miziara e Gersioneton de A. Barros, Ed. Abdetran, com adaptações, reproduzido com autorização dos autores - Arnaldo Miziara arnaldomiziara@gmail.com e Gersioneton de A. Barros gersioneton@hotmail.com Proibida a cópia ou reprodução por qualquer meio sem autorização dos autores.